Tratamentos

Cirurgia Amigdalas e Adenoide

Apesar de ser um dos procedimentos cirúrgicos mais realizados no mundo há décadas, muitos mitos são propagados sobre a cirurgia das amígdalas e das adenoides. Reuniremos aqui as informações relevantes sobre o papel das amígdalas e adenoides na imunidade, as indicações da cirurgia, as orientações no pós-operatório e os cuidados importantes na hora de realizar o procedimento.

Para que servem as amígdalas e adenoides?
As amígdalas e adenoides são acúmulos de tecido linfoide, semelhantes aos gânglios que se encontram no pescoço, nas virilha e nas axilas.

As amígdalas se situam no fundo da garganta de cada lado da úvula (campainha).
Já a adenoide não pode ser vista sem instrumentos especiais pois está localizada no fundo do nariz (rinofaringe) e escondida pelo palato quando examinamos através da boca.

Situando-se na entrada da via respiratória, as amídalas e adenoides seriam uma barreira contra germes que entram pela o nariz e a boca. Os cientistas acreditam que elas funcionam como parte do sistema imunológico de nosso organismo, ao identificar os germes que tentam invadir nosso corpo, ajudando na formação de anticorpos contra eles. Esta atividade ocorre durante os primeiros anos de vida, diminuindo de importância a medida que a criança cresce. Aparentemente após os 3 anos de idade essa função cessa completamente. Apesar das prováveis funções descritas acima, já está claro que os pacientes submetidos a cirurgia de remoção das amígdalas e adenoides não apresentam nenhuma diminuição em sua imunidade nem aumento da frequência de infecções no futuro.

SINAIS DE ALERTA
Seguem alguns dos sinais e sintomas que podem indicar que as amígdalas e adenoides passaram a ser um problema e que se deve procurar um médico otorrinolaringologista:

Nariz entupido com frequência
Ronco noturno constante
Infecções repetidas da garganta, do nariz e dos ouvidos (amigdalites, sinusites ou otites)
Respiração pela boca
Dificuldade de se alimentar e/ou ganhar peso
Mau hálito
INDICAÇÕES PARA CIRURGIA
No passado operavam-se muito mais as amígdalas e a adenoides do que hoje em dia. Muitas das indicações para a cirurgia que existiam antes, deixaram de valer atualmente. Além disso o aparecimento de antibióticos mais eficazes e seguros, tornou o controle clínico das infecções das vias aéreas mais possível. Entretanto, ainda existem muitas situações em que as amígdalas e adenoides se tornam um sério problema e merecem ser removidas. São elas:

Abcessos da amígdala
Aumento (hipertrofia) das amígdalas e adenoides
Apneia do sono
Respiração bucal causando alterações no crescimento facial e na oclusão dentária
Suspeita de tumor maligno da amígdala
Roncos noturnos causados por aumento das amígdalas
Dificuldade de se alimentar ou deglutir causada por aumento da amígdala
Halitose causada pelas amígdalas
Alteração da voz por aumento das amígdalas e/ou adenoide

 

QUANDO OPERAR

Não existe idade ideal para a cirurgia das amígdalas e da adenoide e sim o momento certo de cada criança dependendo da gravidade do caso. O médico otorrinolaringologista avaliará a história de infecções de repetição ou de respiração oral e o impacto destas sobre o estado geral do paciente. A indicação de cirurgia só pode ser feita após uma rigorosa avaliação clínica, com ajuda de exames endoscópicos ou de imagem que comprovem o prejuízo causado por estas estruturas.